VISITA DE ESTUDO


"Restauração de incêndios florestais à escala da paisagem "
Chile,  21|25 de novembro de 2017

EVENTOS

CHILE,  21|25 DE NOVEMBRO DE 2017

Num momento em que o mundo está unificado no esforço de trazer terras desmatadas e degradadas para a restauração através do Bonn Challenge, no verão passado, um incêndio florestal sem precedente histórico queimou mais de 600 mil hectares de terra no Chile. Os participantes Chilenos do NGP, Mininco e Arauco, que enfrentam agora o desafio da recuperação, restauração e mitigação de futuros incêndios, convocaram com a WWF Chile, uma visita de estudo da NGP para ver como podem aprender com as experiências de outros e fornecer novas respostas novas a esses problemas.

O incêndio começou após 8 anos de seca e temperaturas record no verão. De acordo com estimativas, 300 mil hectares de plantações de árvores e 200 mil hectares de floresta natural foram destruídos. As chamas eram tão fortes que uma cidade inteira foi destruída, matando 11 e deixando mais de 3.000 pessoas desabrigadas.

A maioria das plantações de árvores afetadas pelos incêndios foi certificada pelo Forest Stewardship Council (FSC), que levantou perguntas de forma mais ampla sobre a certificação. A WWF considera a certificação FSC uma ferramenta poderosa para melhorar o gerenciamento florestal. O FSC provou fazer isso, além de produzir impactos ambientais positivos, como a redução da conversão florestal, o aumento dos Altos Valores de Conservação (HCV) protegidos e áreas restauradas, entre outros ganhos de conservação. Somente na última década, as plantações de árvores certificadas pelo FSC no Chile aumentaram de 13% para 70%. A questão é que o escopo do FSC está na escala da unidade de gerenciamento florestal e os incêndios estavam em outra escala: o nível da paisagem.

À medida que os esforços de recuperação e restauração se desenrolam, uma das lições mais importantes que podemos tirar é que precisamos abordar os principais atributos ao nível da paisagem para evitar o tipo de devastação que o Chile experimentou recentemente. A chave é repensar a escala e como atender às expectativas das partes interessadas, não só no nível local, mas também de forma mais ampla. A restauração da paisagem florestal é parte desse pensamento. Não só restaurar áreas queimadas, mas restaurar para melhorar a resiliência da paisagem, criar mosaicos de paisagem, corredores de vida selvagem e aumentar a provisão de serviços ecossistêmicos através da floresta nativa são todos necessários, especialmente porque a maioria dos estabelecimentos de plantação aconteceu sem essas considerações. Mosaicos com floresta nativa podem até ajudar a fornecer descontinuidades na vegetação que possam ajudar a conter futuros incêndios florestais. Por todas as indicações, as mudanças climáticas aumentarão a ocorrência desses incêndios, mas como lidamos com eles para reduzir a quantidade de danos que deixam para trás e se aproveitamos a oportunidade que eles apresentam para redesenhar a paisagem, depende de nós.

Esta visita de estudo, co-organizado por Mininco, Arauco e WWF Chile, analisará como incorporar as lições aprendidas e enfrentar o desafio da recuperação, restauração e mitigação de futuros incêndios.


Chile